Empatia x Simpatia: descubra o que são e as principais diferenças

empatia-x-simpatia-descubra-o-que-sao-e-as-principais-diferencas

Ao falarmos de empatia x simpatia, há sempre uma confusão sobre o que representa cada um dos termos. Quer saber mais sobre o assunto? Então leia o texto e tire todas as suas dúvidas!

Ao falarmos de empatia x simpatia, há sempre uma confusão sobre o que representa cada um dos termos. Apesar de ambos tratarem da forma como você age em relação ao outro, existem algumas diferenças.

Quer saber mais sobre cada um dos conceitos e como eles estão presentes no seu dia a dia? Continue a leitura e fique por dentro!

O que é simpatia?

Popularmente, pessoas simpáticas são aquelas que têm um bom relacionamento com as outras, que são agradáveis, positivas, sorridentes e que entendem o que a pessoa está sentindo. Elas identificam, em um primeiro momento, o sentimento das outras, mas o compreendem de maneira mais superficial.

A palavra simpatia está relacionada a um sentimento de solidariedade, de boa disposição e de empenho para com os outros, a fim de provocar uma boa impressão, apreço ou admiração.

Um exemplo de pessoa simpática é aquela que, numa empresa, cumprimenta a todos, pergunta se está tudo bem com todo mundo, mas que não se envolve a fundo nos problemas.

O que é empatia?

Empatia vai além de identificar o que o outro está sentindo no momento. É a busca pela compreensão mais profunda dos sentimentos das pessoas. Em outras palavras, uma pessoa empática se coloca no lugar do outro e tenta achar soluções para os problemas que ele está passando.

A palavra empatia se refere à capacidade em se identificar com os outros. É a aptidão em se colocar no lugar do outro e entender como ele se sente. Numa relação empática, passamos a conhecer e entender o próximo, as suas dificuldades, a realidade de vida e a forma de enxergar o mundo.

Para muitos, essa é uma das atitudes mais nobres do ser humano — sentir a dor do outro como se fosse a própria e tentar, de alguma forma, resolver o problema, buscando sempre fazer tudo que esteja ao seu alcance.

Um exemplo de situação em que empatia pode ser posta em prática: em uma grande tragédia, há sempre grandes histórias. Em uma delas, uma pessoa empática conhece alguém que passou por um grave problema — perdeu tudo o que tinha em casa. Nesse momento, tal indivíduo buscará entender o que está acontecendo, aproximar-se de tal realidade, e procurará ajudar, de alguma forma, o outro a resolver a situação pela qual está passando.

Há pessoas que têm uma facilidade natural para a demonstração de empatia, assim como há outras que não conseguem fazê-lo. Contudo, vale ressaltar que não se pode confundir empatia com reconhecimento de emoções.

Saber que o outro está triste, com medo, feliz ou animado não significa necessariamente ser empático.

É importante dizer que quanto mais familiar e próxima se torna uma pessoa para você, mais fácil fica entender as emoções que ela está sentindo. Há casos em que a mente e o corpo acabam não estando dispostos o suficiente, o que dificulta a percepção dos sentimentos do outro.

Quais são as diferenças entre empatia x simpatia?

Muitas vezes confundidos, os dois conceitos se distinguem em alguns pontos, principalmente em sua finalidade. A maior diferença está na forma como a pessoa é afetada pelos sentimentos do outro. Ser simpático é sentir algo por alguém, como uma afeição. Entretanto, o envolvimento é mais superficial em relação ao sentimento e ao que acontece com o outro.

Na empatia, a situação é totalmente diferente. Como dito anteriormente, ela trata de se colocar sempre no lugar do outro para uma melhor compreensão do que ele está sentindo. Ser empático não é aceitar tudo o que é feito, pensado ou opinado pelo outro. É a capacidade de reconhecer, em profundidade, o sentido da opinião, para poder respeitá-la ou, até mesmo, questioná-la.

Ao agir de forma simpática, há uma aproximação do outro por aquilo que ambos têm de semelhante.

É nesse momento que conhecemos as diferenças, a diversidade de ideias e as opiniões. É o instante em que é possível perceber que suas visões e seus sentimentos são particulares e não universais.

Quais são os cuidados na hora de ser empático?

Na empatia, há lados positivos, como facilitar a comunicação, o consolo, entre outros. Porém, há um lado negativo que pode ser perigoso caso não seja trabalhado.

Colocar-se no lugar do outro não é uma tarefa fácil. Ao entrar em profundidade nos problemas dos outros, a pessoa pode acabar se envolvendo de forma mais intensa na situação, o que pode acarretar numa perda da qualidade da saúde mental. Então, é importante praticar e treinar a ação de se colocar no lugar do outro para que seja possível desassociar a ideia de que o problema do outro também é seu, evitando cair permanentemente nele. Cuide-se primeiro para que você possa, então, ajudar os demais.

Como praticar a empatia?

Para empregar a empatia da melhor maneira, você pode fazer uso de algumas medidas:

Entenda que sua verdade pode não ser a do outro

O conceito de verdade é muito relativo. O que pode ser real para você talvez não seja para o outro. Cada um vive uma realidade que o faz criar uma concepção de verdade diferente. Não se deixe guiar pelos seus costumes e coloque-se, de fato, na vida da outra pessoa.

Pratique a escuta ativa

Ouça com atenção aquilo que é dito. Antes de pensar em responder algo, procure ouvir atentamente o que está sendo falado. Saber ouvir ajuda a não fazer julgamentos precipitados, além de criar aberturas para que você entenda a realidade do outro e sua forma de se comunicar.

Saiba quando falar

Nem sempre haverá o que falar ou, até mesmo, a pessoa pode não querer ouvir nada. Há momentos em que um gesto vale mais do que mil palavras.

Uma dica que pode ser importante para fazer com que o outro se sinta mais à vontade na hora de se comunicar é indicar que está compreendendo o que está sendo dito. Acene positivamente com a cabeça, olhe em direção ao outro e evite braços e pernas cruzadas — porque a postura transmite uma ideia de resistência.

Utilize algumas frases, como “entendo como está se sentindo” e “imagino o que passou”. Isso cria uma relação de proximidade com a outra pessoa.

Apesar de você compreender o que está sendo falado, não dá para concordar com tudo, afinal, crenças e valores são individuais e distintos. Por isso, busque pontos sobre os quais vocês concordam na conversa para estabelecer uma comunicação mais próxima.

Jamais julgue alguém pelas ações

Cada pessoa é de um jeito. Não existe uma fórmula para saber como pensa e age cada um. Portanto, é importante manter o respeito pelas ações de todos os indivíduos. Cada atitude tomada é para trazer algo de positivo para si. Logo, é mais importante entender o que levou a pessoa a tomar determinada atitude do que julgar se ela está certa ou errada.

Seja empático com quem o irrita

O princípio da empatia é a tolerância social. Por mais que você tenha alguns problemas com uma pessoa, tente entender o que se passa com ela e sua realidade. Às vezes, o motivo de ela agir de um modo específico se deve a algum problema que esteja passando e com o qual, talvez, você possa ajudá-la.

Conseguiu entender a diferença entre empatia x simpatia? Então compartilhe nosso post nas suas redes sociais para que mais pessoas possam entender essas atitudes que fazem toda a diferença no dia a dia.